sábado, 29 de novembro de 2014

DECLARAÇÃO

De tudo só ficou o silêncio,
Essa abissal impressão do nada,
Um vazio de séculos, infortúnio
Que se degrada autocomiseração,
Para mais doer e incomodar.

O silêncio da folha em ausência de brisa,
De lábios crispados, da imobilidade
Posta em qualquer vontade, um grito
Morto antes de nascer, um espasmo.

É a loucura consciente, o saber-se vivo,
Com o metabolismo ativo, em provimento
Às atividades que não sustentam emoções,
Todas elas mortas, inativas, ausentes,
Levadas pelo que o tempo não devolverá.

Inconsciente e determinada, senhora de si,
Aquela mulher me levou. Agora, aqui,
Ruínas do que eu era, escombros de mim
Choro a saudade do que fui.

Francisco Costa

Rio, 27/11/2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário