sábado, 11 de abril de 2015

ANÚNCIO

Precisa-se de um coração,
não para transplante,
estudos anatômicos,
ilustrações.

Cardistraído e leve,
levemente ciumento,
que traga aconchego,
necessidades eróticas,
curiosidade de tudo.

Cardiminuto, míúdo,
discreto o bastante
para que caiba em mim,
embora cardimenso,
capaz de conter o mundo.

Que pulse em silêncio
e silencioso se anuncie
presença constante,
estrela no horizonte,
fazendo-me, encantado,
ex planeta errante,
rendido, entregue,
orbitando a seu lado.

Precisa-se de um coração,
não para transplante,
estudos anatômicos,
ilustrações.

Um coração com endereço,
digitais, documentos e nome,
para que cardistraído
ao meu se some.

Francisco Costa.
Rio, 11/04/2015.

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Somar corações este é o verdadeiro amor . Lindo poema !

    ResponderExcluir
  3. Excelente o seu poema...
    Toca fundo nos corações!

    ResponderExcluir
  4. Visitando sua página de poemas. Terreno desconhecido mas que deve ser super agradável de passear, já conhecendo os textos sobre a conjuntura politica nacional e internacional tão bem escritos e tão bom de lê-los.

    ResponderExcluir
  5. Visitando sua página de poemas. Terreno desconhecido mas que deve ser super agradável de passear, já conhecendo os textos sobre a conjuntura politica nacional e internacional tão bem escritos e tão bom de lê-los.

    ResponderExcluir