terça-feira, 14 de maio de 2013

TEMPO


O  tempo, esse amigo/inimigo
Sempre presente, sombra sempre
Arruinando/edificando, trigo/joio
Dependendo do momento.

O relógio me ilude/desconserta
Em sua constância permanente
Inalterável, sem acelerar/retardar
Sempre a mesmos intervalos
Minuto a minuto, hora a hora.

Eu e o relógio, incompatibilidade
De sincronias nos movimentos.
Se beijo/ acelero, ele para.
Se choro/ paro, ele acelera.

A vida não se mede em tic-tac
E cada relógio é só lembrete:
O tempo não é coisa séria.

Francisco Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário